A beleza do relacionamento

“Porventura andarão dois juntos, se não estiverem em acordo?” Am 3.3

 Etimologicamente o substantivo masculino gramatical relacionamento significa ato ou efeito de relacionar. No cotidiano devemos aprender a conviver com todos indistintamente. É um exercício diário, requerendo dos envolvidos cuidado, atenção e prudência. Naturalmente seu escopo, tenciona ser duradouro, todavia, a perduração deste, está intransferivelmente confinada a ambos. Obviamente dependerá da postura individual, atrelando a resposta no campo comportamental. Isto exigir uma ótica cirúrgica.

Como são pessoas diferentes, pensam e agem quase em sua totalidade, contrariando e emitindo parecer peculiar. Por isto, trata-se de um desafio se relacionar com outro, não é fácil. Precisamos entender seu ponto de vista, ideologia, princípio, crença e outros valores existentes. Quando nos esforçamos para este fim, a probabilidade de aproximação, iniciação e continuidade na relação é mais viável e factível. Está na relação, faz necessário, anular o ego, permitir que o outro externe sua opinião, reverenciando o espaçamento da individualidade, buscando em conjunto convergir opiniões paradoxais. A divergência é salutar, desde que não haja exageros. O objetivo cêntrico, pressupõe sempre, o bem-estar do outro.

Por outro lado, considerando a semântica, analisemos a seguir o substantivo feminino beleza: qualidade do que é belo, harmonia, bondade, excelência. No aspecto pragmático, deve ser observado, cautelosamente, o espectro interno e esteriótico, contemplando a essência do conteúdo, tendo, simultaneamente, uma elucidação periférica. Neste contexto, permitindo aos integrantes, ponderar o nível, oportunizando identificar falhas, corrigir lapsos, apontar soluções, sugerir alternativas, viabilizar caminhos, rever posicionamentos, indicar saídas.

Portanto, seja qual for à instância do relacionamento (fraterno, conjugal, etc.), a nítida ausência de concordância mutua, inibi e afasta os envolvidos. Outros fatores podem desencadear o rompimento: a falta de diálogo permanente e inteligente, o egocentrismo, a distância da propositiva, a flexibilização nas opiniões e ideias e a obstinada discordância sem apreciar e filtrar. Ambos, com cuidado continuo, devem sistemática e inadiavelmente ajustar a relação.  A humildade, bem como, a prudência, é indispensável na convivência. Estar juntos e bem, é sinônimo de comunhão, harmonia, paz, felicidade. Caso contrário, esvaziado o recurso do diálogo exaustivo e não havendo concordância bilateral, inviabiliza e impossibilita o relacionamento. Sugerindo assim, que cada um, sequencie a sua vida separadamente.

Que Deus nos ajude. (1 Ts 5.25)

Colunista: Janilson Lima