A Palavra do Ano

A Palavra do Ano

 

(Dn. 1:8 )

             Que tal começarmos o ano com uma boa palavra? Estamos no primeiro mês do ano de 2017 e como fora dito pelo profeta Samuel: “EBENEZER!”, até aqui o Senhor nos tem ajudado. Nesse caso, a palavra ou expressão em questão seria, sem dúvida, “ações de graça”. Entretanto, diante de tantas inconstâncias, talvez, uma boa palavra para nos dar um novo direcionamento e perseverança na caminhada seria DETERMINAÇÃO.

Essa palavra transformou todo o cativeiro babilônico para quatro jovens, oriundos de Judá, na corte do rei Nabucodonosor. Daniel e seus companheiros decidiram firmemente não se contaminarem com os costumes, comida e cultura babilônica. Mas como isso pode mudar nossa história também? Simples, vamos dissecar a palavra e por em prática os resultados obtidos.

Em primeiro lugar, eles determinaram a ação. Eles sabiam exatamente o que iram ou não fazer. Em segundo lugar, eles se detiveram NA ação. Eles não se ocuparam em outras coisas. Em terceiro lugar, eles se doaram até que a ação fosse terminada. E em último lugar, eles jamais detiveram A ação. Pois sabiam que isso iria minar todo o esforço obtido para honrar o nome do Senhor Nosso Deus.

Precisamos entender o que significa determinação.

DETERMINAÇÃO

DETERMINE A AÇÃO

DETER-ME NA AÇÃO

DÊ TERMINE A AÇÃO

DETER MINA A AÇÃO.

Que no ano de 2017 possamos ser mais DETERMINADOS nas coisas do Senhor, para que enquanto formos peregrinos em terra estrangeira possamos mudar o curso da nossa história, levando a bandeira e honrando o nome do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Por: Rev. Marcelino Machado

Quem são Seus Conselheiros

Quem são Seus Conselheiros

(1 Re. 12:1-15; Pv. 15:22, 19:20)

Você lembra os momentos de prova na escola? Principalmente as provas das matérias nas quais tínhamos dificuldades. Como seria bom poder contar com um bom conselho naqueles momentos. Nossos pais diriam: filho (a) estude antes da prova. Nossos amigos por sua vez diriam: não se preocupe, eu te passo a cola. A questão aqui é saber escolher o conselho certo, pois aparentemente eles nos levam a uma solução. Saber escolher quais conselhos ouvir, podem nos ajudar a encontrar a vontade de Deus em determinadas situações, mas saber de quem os ouvir, essa é a grande questão.
Durante o período imperial de Israel, o que ficou conhecido como o período do reino dividido, período posterior aos reinados de Saul, Davi e Salomão, foi marcado, logo de início por essa mesma questão. Saber de quem ouvir conselhos. O rei Roboão, filho de Salomão, foi procurado por seus súditos acerca de um determinado assunto, este por sua vez procurou os anciãos do povo os quais disseram ao rei: “se, hoje, te tornares servo deste povo, e o servires, e, atendendo, falares boas palavras, eles se farão teus servos para sempre. ” Mas Roboão, não deu ouvidos aos conselhos dos anciãos e preferiu consultar seus amigos de infância.

Talvez eles quisessem ajudar, mas o que sabiam sobre o julgo imposto por Salomão, ou como tratar seus súditos? O rei prefere atender o conselho dos jovens e inexperientes e toda a nação de Israel sofre as consequências.

Todos os dias somos confrontados com situações que exigem de nós decisões. Voltamos à hora da prova, a quem ouviremos? Nossos pais, professores, pessoas que nos ensinam, que são experientes, pois já passaram por muita coisa a nossa frente.
É bem provável que eles tenham uma boa palavra para nos dar. Busque alguém que possuam base e experiência nos assuntos que estão sendo exigidos no momento. Coloque-os diante de Deus e busque a sua vontade, pois ela é boa, agradável e perfeita.

Por: Rev. Marcelino Machado

Ano Novo, vida … nova?

Ano Novo, vida … nova?

Não é estranho que na virada de cada ano pessoas façam resoluções e promessas de melhorias e mudanças, entretanto, quais as bases ou fundamentos para que tais resoluções sejam feitas?
Os judeus sempre foram conhecidos por serem exímios comerciantes e também faziam resoluções e planos, mas esqueciam de algo fundamental, fato que se assemelha ao que acontece hoje com muitos planos e resoluções feitas nas viradas do ano, ou até mesmo decisões do cotidiano.
O irmão de Jesus Cristo, Tiago, fez um alerta a tais homens que, sem cuidado ou fundamento correto, estabeleciam planos para suas vidas concernentes ao futuro. Ele disse: “Atendei, agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã, iremos para a cidade tal, e lá passaremos um ano, e negociaremos, e teremos lucros. Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa. Em vez disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo. Agora, entretanto, vos jactais das vossas arrogantes pretensões. Toda jactância semelhante a essa é maligna. ” (Tg. 4:13-16).
O que é a vida? Que poder alguém tem sobre o dia de amanhã, ou até mesmo hoje? Cada vida está nas mãos de Deus. Assim, deixe que Ele seja a razão e o fundamento para cada nova resolução.
Que o Ano Novo seja um ano cheio de bênçãos e realizações, todas, para a glória de Deus.